Buscar

De volta para o mergulho, como voltar a mergulhar após a pandemia de COVID-19

Recentemente e felizmente estamos comemorando a diminuição nos indicadores de contágio da COVID-19. A boa notícia vem acompanhada, através de uma relação de causalidade, do aumento da vacinação. Levando em consideração a melhoria de nosso cenário, e as recentes dúvidas que recebemos em nossas redes sociais, elaboramos um breve artigo falando um pouco sobre os efeitos do vírus SARS-CoV-2 no mergulho, bem como os procedimentos para a volta segura às nossas atividades. Quanto às questões médicas, apresentamos neste artigo uma sumarização de diversos materiais elaborados por reconhecidas fontes como a DAN Europe, a Undersea and Hyperbaric Medical Society (UHMS), a Belgian Society for Diving and Hyperbaric Medicine (SBMHS-BVOOG), o European Committee for Hyperbaric Medicine and Underwater and Baromedical Society (ECHM & EUBS) e a OMS - Organização Mundial da Saúde. Seguindo essas dicas teremos uma temporada de muitos mergulhos e, se continuarmos nos cuidando, um feliz retorno ao normal!


Tive COVID-19, quando posso voltar a mergulhar?

A COVID-19 pode se manifestar de diversas formas nos seres humanos, desde casos assintomáticos até em sua forma mais grave, podendo levar a fatalidade. Por essa razão não é possível criar um protocolo único que atenda a todos os mergulhadores, é importante ressaltar que a decisão de retorno ao mergulho deverá ser discutida com seu médico, e somente ele poderá avaliar sua situação através de todas as ferramentas que a medicina proporciona ao profissional de saúde para chegar ao veredicto.

Para a maioria dos conselhos médicos citados acima, pode se definir um consenso sobre as diferentes situações e formas de retorno às atividades de mergulho, conforme abaixo:

  • Os mergulhadores com teste positivo para COVID-19, mas que permaneceram completamente assintomáticos, devem esperar pelo menos 30 dias a partir do primeiro teste negativo antes de solicitar a autorização para o mergulho e, eventualmente, voltar a mergulhar.

  • Os mergulhadores que tiveram COVID-19 sintomático devem esperar pelo menos 30 dias a partir do primeiro teste negativo, mais 30 dias adicionais sem sintomas (um total de dois meses) antes de solicitar a liberação para mergulho conduzida por um especialista em medicina do mergulho.

  • Os mergulhadores que foram hospitalizados com, ou devido a sintomas pulmonares em relação ao COVID-19, devem esperar pelo menos três meses antes de solicitar a autorização para o mergulho conduzida ou coordenada por um especialista em medicina do mergulho. A avaliação deve incluir teste de função pulmonar, teste de esforço com medição de saturação periférica de oxigênio, bem como uma tomografia computadorizada de alta resolução dos pulmões para verificar um retorno ao normal.

  • Os mergulhadores que foram hospitalizados com, ou devido a problemas cardíacos relacionados ao COVID-19, devem esperar pelo menos três meses antes de solicitar a autorização para o mergulho conduzida ou coordenada por um especialista em medicina do mergulho. A análise deve incluir avaliação cardíaca, incluindo ecocardiografia e um teste de esforço para verificar a função cardíaca normal.

A DAN Europa recomenda ainda que os exames pulmonares e cardíacos sejam avaliados por médicos que apresentem conhecimento em medicina do mergulho.


De volta para o mergulho


Estou há muito tempo sem mergulhar, o que devo fazer?

Parece que já faz tanto tempo que a gente não coloca o neoprene, e nem lembramos mais como é respirar por um regulador, como era mesmo que eu montava todo o equipamento? Aquela insegurança por não ter certeza se o dupla ou o guia de mergulho vão me esperar se eu precisar de um tempo a mais para equalizar. Esse sentimento lhe soa familiar?

A nossa capacidade de mergulhar está armazenada em um caminho que precisamos trilhar em nossa memória para reavivar o mergulho seguro. Com a prática reativamos esses caminhos e após um ou dois mergulhos estamos de volta a nossa forma original, já lembramos como montar os equipamentos, o quanto de ar precisamos colocar no colete para se chegar à flutuabilidade neutra, como desalagar a máscara e, com um pouco de prática, podemos até nos arriscar a voltar a mergulhar no TRIM!

Mergulhar é como andar de bicicleta: Com a prática ativamos as conexões neurais que nos fazem voltar a respirar embaixo d'água com muito conforto. Contudo existem algumas habilidades que não praticamos com muita frequência, são aquelas habilidades que podem ser a diferença entre um mergulho feliz e confortável ou um grande problema a solucionar. É importante também reativar nossa memória para as habilidades de segurança do mergulho; Como faço para compartilhar meu regulador? E uma subida livre de emergência, como deve ser realizada? E se for necessário estabelecer flutuabilidade positiva na superfície? É muito importante ter essas habilidades na "ponta da língua".

Para isso existe uma programa na Tatauga dive chamado de atualização de mergulho. com ele você poderá relembrar os procedimentos de segurança e praticar em nossa confortável piscina. Vamos relembrar como montar o equipamento, como desalagar sua máscara, como realizar os procedimentos de compartilhamento de reguladores, entre outros tantos procedimentos tão úteis para que tenhamos uma experiência maravilhosa de retorno e sobretudo segura. Se você está voltando a se aventurar no fundo do mar, converse com a gente que temos o programa ideal para seu retorno!


129 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo